terça-feira, 20 de março de 2018

CORONEL QUE MATOU O NAMORADO DA FILHA É INDICIADO POR HOMICÍDIO DOLOSO.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública do Maranhão (SSP) informou nesta terça-feira (20) que o inquérito referente ao caso Davi Bugarim foi concluído e está sendo encaminhado ao Poder Judiciário. O delegado Lúcio Reis, que acompanha o caso, contou que foi possível realizar a conclusão, apesar de ainda estar pendentes alguns laudos.
“Os laudos que se encontravam presentes, as 18 inquirições, e todo o contexto da investigação policial analisado levou ao indiciamento do coronel reformado Walber Pestana pelo homicídio doloso simples, ainda que existam nos autos indícios de que Davi Bulgarim tenha agredido e mantido a namorada em cárcere privado no dia do crime”, declarou o delegado.
Além disso, o delegado disse que a legítima defesa e de terceiro invocado pelo coronel Walber será analisada quando o processo penal for instaurado no Poder Judiciário, cabendo neste momento o exercício do contraditório e da ampla defesa, além de conveniente análise da excludente de ilicitude.

Entenda o caso

O tenente-coronel reformado da Polícia Militar Walber Pestana da Silva confessou ter atirado no namorado de sua filha reconhecido como Davi Sousa Bugarim de Melo na noite do noite do dia 15 de fevereiro, em São Luís. Davi era músico e proprietário de uma casa de shows situada no Centro histórico da capital.
Davi Sousa Bugarim de Melo tinha 26 anos e foi morto pelo pai de sua namorada em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)Davi Sousa Bugarim de Melo tinha 26 anos e foi morto pelo pai de sua namorada em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Segundo informações da polícia, o crime aconteceu no bairro Parque dos Nobres após o militar presenciar uma briga entre o casal e ver a vítima agredindo a sua filha. Inconformado com a situação, o tenente-coronel decidiu pegar a sua arma de fogo e disparar dois tiros contra Davi.
Davi Sousa Bugarim de Melo, que tinha 26 anos, ainda chegou a ser socorrido, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos e morreu no Hospital Municipal Djalma Marques (Socorrão 1), na capital. Após o crime, o militar fugiu do local.
Ingrid Raiane Silva era namorada de Davi e teria sido agredida por ele no momento em que o coronel Walber decidiu atirar contra o empresário (Foto: Reprodução/TV Mirante)Ingrid Raiane Silva era namorada de Davi e teria sido agredida por ele no momento em que o coronel Walber decidiu atirar contra o empresário (Foto: Reprodução/TV Mirante)
De acordo com o laudo cadavérico realizado em Davi, havia apenas uma perfuração no corpo do músico. A bala – disparada a distância de, no mínimo, um metro – atingiu a costela e atravessou o tórax.
O outro tiro atingiu a parede da casa onde eles estavam. O resultado do corpo de delito feito pela filha do coronel e namorada de Davi na época, Ingrid Raiane Silva, apontou marcas pelo corpo e um corte na cabeça causado por um instrumento cortante. Segundo o delegado, os laudos periciais colaboram com os depoimentos do coronel e da filha dele.
A advogada da família de Davi Bugarin, Odeth de Carvalho, tem questionado a razão pelo qual o atirador não fez exame de corpo de delito e por que não foi encontrada a faca que teria sido usada por Davi para ameaçar o coronel. O delegado Lúcio Reis confirmou no início do mês que a faca não foi encontrada e disse que não houve necessidade do exame.
“A questão do corpo de delito dele, ele declarou que embora tenha recebido dois empurrões do Davi e que não ficou marca. Quando ele foi instado a fazer exame, ele disse que não teria necessidade porque não teria essas marcas e não foi feito por esse motivo. Sobre a faca, o coronel fala que ele teria usado duas, três vezes... em direção ao coronel. Uma faca de cozinha que na verdade os peritos e delegados de polícia de plantão não encontraram no local. Então não foi recolhido este material como prova de delito”, afirmou o delegado.

Nenhum comentário: